menu-bgimg

What we can offer you

We provide detailed transactional data, cost benchmarks and in-depth analytics for participants in the wood raw materials supply chain.
  • Pricing Data
  • Benchmarks
  • Product Forecasting
  • Advisory Services
  • Analytics
Learn More

SilvaStat360 Platform

  • Price Benchmarks
  • The Beck Group’s Sawmill TQ
  • Timber Supply Analysis 
  • Global Economic Data

Explore Forest2Market's Interactive Business Intelligence Platform

Learn More

Industries

From biomass suppliers in the Baltics to pulp producers in Brazil and TIMOs in the United States, Forest2Market provides products and services for suppliers, producers and other stakeholders in the global forest products industry.

Learn More
x
 
Blog

EUA impõe novas taxas para a madeira canadense e aumenta a perspectiva Brasileira

Maio 11, 2017
Author: Marcelo Schmid

Nos seus primeiros 100 dias como novo presidente dos Estados Unidos Donald Trump tem levado a sério uma de suas principais promessas de campanha: examinar acordos comerciais internacionais buscando proteger os interesses do país. Após recuar em relação a algumas declarações mais contundentes direcionadas à política comercial com a China, o governo americano elegeu como “bola da vez” os contratos comerciais com o Canadá. Um dos principais imbróglios comerciais existentes entre os dois países é, sem dúvidas, a madeira serrada exportada pelo Canadá para os Estados Unidos.

Recentemente a Forest2Market do Brasil publicou um artigo abordando o término do chamado Softwood Lumber Agreement (SLA) e as possíveis oportunidades decorrentes para o Brasil. O SLA era um acordo de comércio existente entre o Canadá e os Estados Unidos, criado para compensar o subsídio recebido pela indústria madeireira canadense. Como grande parte das propriedades produtivas está na mão do governo, o valor da madeira em pé é definido administrativamente e não com base no mercado, criando um descompasso significativo com o país vizinho, principal comprador de madeira serrada do Canadá.

O secretário de Comércio norte americano, Wilbur Ross declarou no final de Abril que serão adotadas novas e rígidas taxas sobre a madeira serrada que é expedida para os EUA. As alíquotas de tais taxas irão variar entre 3 a 24% para cinco madeireiras específicas canadenses, e 20% para as demais e deverão ser válidas já nas próximas semanas (o governo não explicou a razão da diferença entre as alíquotas). Porém, como era de se esperar, tais taxas não foram bem recebidas pelo Canadá e a discussão deverá se prolongar.

“O governo do Canadá discorda fortemente da decisão do Departamento de Comércio dos EUA em impor uma taxa injusta e punitiva”, disseram Jim Carr, Ministro de Recursos Naturais, e Chrystia Freeland, Ministra de Assuntos Internacionais, em uma declaração conjunta. Segundo Carr e Freeland, "a acusação (dos EUA) não tem fundamento”. Eles alertaram que a medida irá gerar impacto negativo nas famílias americanas, que terão que pagar mais para construir ou reformar suas casas. Além disso, os ministros canadenses disseram que o país pode processar os EUA, se necessário.

Do outro lado da fronteira, o presidente da US Lumber Coalition, Cameron Krauss destacou que “as regras atuais confirmam que as madeireiras do Canadá são subsidiadas pelo governo e se beneficiam de políticas de preços e outros subsídios que prejudicam as fábricas americanas e seus trabalhadores.”

A disputa comercial sobre madeira serrada é um assunto denso que envolve mais variáveis do que aquelas que normalmente são divulgadas. Existe uma correlação muito forte entre essa disputa e o imenso mercado consumidor de produtos florestais dos EUA, o que a torna ainda mais relevante.

Se as projeções da Forest2Market estiverem corretas, o número de housing starts (novas residências) – um dos principais indicadores do setor florestal norte-americano - atingirá algo em torno da marca de 1,3 milhão de unidades em, 2018, o que fará com que a demanda de madeira dos EUA suba acima de 100 bilhões de metros cúbicos pela primeira vez desde 2007. Se a economia continuar a melhorar, a demanda por madeira serrada continuará forte em curto prazo. Embora as projeções de housing starts ainda estejam muito aquém do nível de consumo pré 2008, esse é sem dúvida o cenário mais positivo dos últimos anos.

É importante ter em mente que a discussão entre EUA e Canadá não é nova. O SLA impôs restrições similares por 10 anos antes de seu término, em 2016. Com as novas taxas a serem impostas pelos Estados Unidos espera-se que o Canadá – que nunca esteve plenamente satisfeito com o acordo anterior e que absolutamente não concorda com as novas taxas – direcione sua madeira serrada para outro grande mercado, como a China (o Canadá é o segundo maior fornecedor de madeira serrada da China, ficando atrás apenas da Rússia).

Considerando o tamanho do mercado de madeira serrada dos EUA, as importações do Brasil e de outros países da América do Sul ainda são pouco expressivas. Porém, com preço alto e demanda crescente o cenário torna-se favorável para novos players internacionais. Os acontecimentos recentes mostram que existirão oportunidades para empresas que têm se planejado atender ao mercado externo e aguardam pacientemente o melhor momento para entrar no mercado norte americano.

Embora o atual volume de madeira brasileira não seja significativo para os EUA as exportações brasileiras de diferentes produtos de madeira tem uma importância crescente para o setor. Após a crise de 2008-2009 a indústria madeireira soube se beneficiar do momento cambial positivo e intensificou suas exportações, seguindo a alta do dólar, sobretudo após 2011. Conforme demonstra a figura 01, essa tendência se confirma para produtos de menor valor agregado (madeira serrada e compensado de pinus). Mesmo com a recente queda na taxa de câmbio, as exportações destes dois produtos continuavam crescentes até o mês de Abril deste ano.

 

Brazil_Lumber1.png

Fonte: ABIMCI e Forest2Market do Brasil

Figura 01. Evolução da exportação de madeira serrada e compensado pelo Brasil (média mensal)

 

No caso de Produtos de Maior Valor Agregado (PMVA) percebe-se a mesma tendência a partir de 2011. A figura 02 apresenta a evolução das exportações de portas e madeira perfilada nos últimos anos. Ao contrário da madeira serrada, do compensado e da madeira perfilada, o setor de portas apresentou uma queda no nível de exportações dos primeiros meses de 2017, acompanhando a redução da taxa de câmbio.

 

 

Brazil_Lumber2.png

Fonte: ABIMCI e Forest2Market do Brasil

Figura 02. Evolução da exportação de portas e madeira perfilada pelo Brasil (média mensal)

 

Se analisarmos os países de destino da madeira serrada exportada pelo Brasil observamos que os EUA são o principal destino desse produto, com 35%, seguido de México (22%) e China (15%), conforme apresenta a figura 03.

Brazil_Lumber3.png

Fonte: ABIMCI e Forest2Market do Brasil

Figura 03. Destino das exportações de madeira serrada de pinus, em 2017

 

Porém, se analisarmos produtos de maior valor agregado observamos que a importância dos Estados Unidos é muito maior, pois o país recebe 53% das exportações de portas do Brasil e 95% das exportações de madeira perfilada de pinus, conforme apresenta a figura 04.

 

Brazil_Lumber4.png

Fonte: ABIMCI e Forest2Market do Brasil

Figura 04. Destino das exportações de PMVA de pinus, em 2017

 

Se a taxa de câmbio representou nos últimos anos um importante agente catalisador do aumento das exportações de produtos de madeira brasileiros para os EUA e outros mercados, atualmente as dúvidas quanto ao suprimento e o preço atrativo da madeira serrada em dólares nos Estados Unidos poderá incentivar a continuidade do crescimento das exportações de produtos de madeira para o país. As empresas brasileiras devem se organizar e permanecerem atentas aos próximos acontecimentos da relação comercial entre Estados Unidos e Canadá.

 

Saiba mais sobre os produtos e serviços da Forest2Market do Brasil

Back to Blog

You May Also be Interested In

Setembro 30, 2019
A montanha-russa do mercado de exportações de produtos de pinus
A atividade florestal é sabidamente uma atividade de longo prazo. Se faz necessário esperar anos para (literalmente)...
Continue Reading
Setembro 27, 2018
Tendências das exportações do setor florestal brasileiro – Madeira Serrada de Coníferas
Ao observar a evolução histórica da exportação de alguns dos principais segmentos do setor florestal, percebemos que as...
Continue Reading
Agosto 17, 2018
Tendências das exportações do setor florestal brasileiro - Compensado
Ao observar a evolução histórica da exportação de alguns dos principais segmentos do setor florestal, percebemos que as...
Continue Reading