menu-bgimg

What we can offer you

We provide detailed transactional data, cost benchmarks and in-depth analytics for participants in the wood raw materials supply chain.
  • Pricing Data
  • Benchmarks
  • Product Forecasting
  • Advisory Services
  • Analytics
Learn More

SilvaStat360 Platform

  • Price Benchmarks
  • The Beck Group’s Sawmill TQ
  • Timber Supply Analysis 
  • Global Economic Data

Explore Forest2Market's Interactive Business Intelligence Platform

Learn More

Industries

From biomass suppliers in the Baltics to pulp producers in Brazil and TIMOs in the United States, Forest2Market provides products and services for suppliers, producers and other stakeholders in the global forest products industry.

Learn More
x
 
Blog

O desempenho econômico brasileiro em 2016 e o setor florestal

Fevereiro 09, 2017
Author: Marcelo Schmid

Embora o Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) ainda não tenha divulgado o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro para 2016, já é amplamente sabido que a previsão do mercado é de um tombo próximo a 3,5%, levando o país a atingir uma marca vexatória: pela primeira vez desde o início da série histórica oficial do IBGE, em 1948, o Brasil registrará dois anos seguidos de retração.

A inflação brasileira em 2016 (Índice de Preços ao Consumidor Amplo, IPCA), foi de 6,29%, índice superior à meta estabelecida pelo Banco Central (4,5%), porém inferior ao teto de 6,5% e significativamente menor que a inflação registrada em 2015 (10,67%). Embora a redução da inflação possa parecer positiva em uma primeira análise, ela resulta da política monetária adotada pelo governo brasileiro, que promoveu o aumento da taxa de juros e a consequente retração da atividade econômica que afeta o crédito, o consumo e os investimentos.

Tanto a retração do PIB quanto a elevação da taxa de juros são indicativos de que a economia não vai bem, a sociedade está consumindo menos e os investimentos não estão acontecendo. Na indústria de base florestal esse cenário teve reflexos claramente dentro dos segmentos voltados ao mercado interno como, por exemplo, o setor de papel e embalagens. Conforme demonstra a Figura 01, em diferentes produtos analisados dentro deste segmento foi observada retração ou quase estagnação na produção, mantendo uma tendência negativa de dois anos.

 

Figura 01 – Evolução da produção de segmentos selecionados do setor florestal brasileiro (1.000 t)

Brazil_Figura1.png

Fonte: Ibá - * Painéis: venda doméstica em 1.000 m3

 

O segmento de painéis apresentou desempenho semelhante em relação à venda doméstica, que sofreu queda de 2,11% em 2016, resultado ruim, porém menos desolador que a queda observada entre 2014 e 2015, de 11,3%. Contudo, a retração promovida pela venda doméstica na produção brasileira de painéis de madeira foi compensada em certa forma pelo aumento de 64% na exportação, solução adotada por alguns dos grandes players deste segmento, desde 2015, para fugir das consequências da crise.

Se por um lado o cenário econômico brasileiro tenha causado estrago para alguns segmentos o ano que se passou foi relativamente positivo para os segmentos atrelados ao mercado externo. Na figura 02 é possível observar a evolução da exportação em três diferentes segmentos. O segmento de painéis de madeira teve um aumento expressivo de 641 mil m3 para 1,05 milhão de m3. O segmento de celulose teve um aumento de 8,1% na exportação e o segmento de papéis, um aumento de 2,2% na exportação.

 

 Figura 02 – Evolução da exportação de segmentos selecionados no setor florestal brasileiro (1.000 t)

Brazil_Figura2.png

Fonte: Ibá - * 1.000 m3

 

Se os reflexos da crise econômica são nítidos nas indústrias florestais voltadas ao mercado interno e à retração no consumo, por outro lado, algumas empresas atreladas aos segmentos ilustrados na figura 02 nos trouxeram notícias consoladoras para 2016. A Fibria, por exemplo, maior produtor nacional de celulose de eucalipto, anunciou recentemente que seu volume de vendas em 2016 foi 8% maior que o ano anterior, desempenho puxado, sobretudo, pela demanda asiática e por um bem vindo aumento de preços na Ásia e, no início de 2017, na América do Norte e Europa. O maior volume de vendas auxiliou a empresa a compensar parcialmente a desvalorização do dólar em relação ao ano de 2015.

A Klabin, outra gigante dos segmentos de celulose e papel, anunciou também crescimento de 45% no volume de vendas e de 16% no EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) em relação a 2015, sendo que um dos principais propulsores deste crescimento foi justamente a venda para o mercado externo.

A Forest2Market do Brasil acredita que em 2017 haverá uma expansão modesta do PIB (em relação o ano de 2016) guiada pela redução da taxa de juros prometida pelo governo, pelo aumento do nível de consumo interno no país e por uma maior produção industrial. Tal expansão não deve ser suficiente para criar impactos significativos às indústrias de base florestal, porém espera-se que seja o início de uma recuperação econômica que deverá se consolidar em 2018, mas que depende preponderantemente do cenário político brasileiro nas eleições federais do mesmo ano para se tornar realidade.

Saiba mais sobre os produtos e serviços da Forest2Market do Brasil

Back to Blog

You May Also be Interested In

Diretor da Forest2Market do Brasil fala à TV sobre mercado de base florestal e pandemia
No último dia 19, o diretor da Forest2Market do Brasil, Marcelo Schmid, deu entrevista ao programa Terra Viva, da TV...
Continue Reading
Abril 23, 2020
Diretor da Forest2Market do Brasil fala à imprensa sobre os efeitos do COVID-19
O diretor da Forest2Market do Brasil, Marcelo Schmid, deu uma entrevista recentemente ao jornal Valor Econômico falando...
Continue Reading
Abril 22, 2020
Efeitos do COVID-19 na Indústria florestal brasileira
Alguns players da Indústria de base florestal brasileira passam bem frente à crise econômica causada pelo coronavírus,...
Continue Reading