menu-bgimg

What we can offer you

We provide detailed transactional data, cost benchmarks and in-depth analytics for participants in the wood raw materials supply chain.
  • Pricing Data
  • Benchmarks
  • Product Forecasting
  • Advisory Services
  • Analytics
Learn More

SilvaStat360 Platform

  • Price Benchmarks
  • Madison’s Lumber Reporter
  • The Beck Group’s Sawmill TQ
  • Timber Supply Analysis 
  • Global Economic Data

Explore Forest2Market's Interactive Business Intelligence Platform

Learn More

Industries

From biomass suppliers in the Baltics to pulp producers in Brazil and TIMOs in the United States, Forest2Market provides products and services for suppliers, producers and other stakeholders in the global forest products industry.

Learn More
x
 
Blog

Queda no dólar e o fluxo de comércio de madeira em 2018

Fevereiro 15, 2018
Author: Pete Stewart

Uma dinâmica interessante nas moedas globais está tomando forma. Os cortes de impostos estão próximos para os trabalhadores americanos, as empresas americanas estão trazendo dinheiro de volta ao país e injetando em suas operações, e um senso geral de otimismo está impulsionando o crescimento corporativo. No entanto, a política "America First" da Administração do Trump está abalando as relações com os parceiros comerciais globais da América e, como resultado, o dólar americano (USD) poderá diminuir.

O dólar recentemente afundou-se para um patamar mínimo em três anos depois que o secretário do tesouro, Steven Mnuchin, disse que um dólar mais fraco era bom para o comércio dos EUA, durante a reunião anual do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. "Obviamente, um dólar mais fraco é bom para nós (EUA) no que diz respeito ao comércio e oportunidades", disse Mnuchin, acrescentando que o valor de curto prazo do dólar "não é uma preocupação nossa (dos EUA)".

Os comentários de Mnuchin estão em consonância com o sentido do protecionismo econômico do presidenShrinking Dollar_000005282242XSmall.jpgte Trump; antes de sua inauguração, Trump disse que o dólar era "muito forte" e que as empresas norte-americanas não podem competir por causa disso, particularmente contra os chineses. Seja ou não intencional a mensagem de Mnuchin em Davos a respeito de uma política do dólar fraco, o mercado tomou nota de seu comentário. O dólar vem diminuindo ao longo do último ano e caiu bastante nas últimas semanas de janeiro: o euro [EUR] subiu para 1,23 / USD e o iene ganhou 0,8 por cento. Em relação ao real, o dólar decaiu 1% se comparado à semana anterior, passando de R$3,21 para R$3,18.

Mnuchin reiterou que a força do dólar no longo prazo reflete a força da economia dos EUA, que também é a mensagem que está saindo da Casa Branca. "Atualmente, temos um dólar muito estável por causa do bom desempenho dos EUA, e é tão poderoso como sempre", afirmou a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders. "Nós acreditamos na moeda de livre flutuação. O presidente sempre acreditou nisso ".

 

O que está em jogo?

Enquanto a economia dos EUA - a maior do mundo - está começando a florescer após uma longa e lenta recuperação da Grande Recessão, a queda de 10% do dólar ao longo do último ano contradiz a afirmação de Sanders de que a moeda é estável. Mas o sentimento está em consonância com a posição da Administração sobre a política comercial que Trump tem ecoado desde seus primeiros dias na campanha: políticas "América primeiro" destinadas a apoiar os exportadores americanos e reduzir os déficits comerciais da nação. Trump também mencionou sua preferência por um dólar mais suave, observando que muita força dentro da moeda poderia prejudicar a economia.

No entanto, a fraca política do dólar também poderia impactar o recente impulso econômico de várias maneiras por:

  • Tornar os recursos dos EUA como os Treasuries menos atraentes. China e Japão (os dois maiores detentores de títulos do Tesouro dos EUA) recentemente reduziram suas participações à medida que o dólar enfraqueceu. No mês passado, o Fundo Monetário Internacional informou que a parcela do dólar das reservas globais caiu no 3T2017 para 63,5%, a menor participação desde meados de 2014.
  • Aumentando os custos de bens estrangeiros para consumidores americanos. O presidente Trump assinou recentemente ordens para impor taxas rígidas sobre células de energia solar importadas (até 30 por cento) e máquinas de lavar roupa (até 50 por cento), uma grande maioria delas provenientes da Ásia. Ele também sugeriu que as tarifas protecionistas mais amplas provavelmente seguirão. Isso poderia afetar negativamente os consumidores americanos e resultar em uma postura de retaliação desnecessária que poderia cortar os EUA de outras oportunidades de crescimento global.
  • Aumentando os custos de recursos estrangeiros para empresas americanas. As tarifas recentemente impostas sobre as importações canadenses de madeira são compatíveis com o caráter protecionista da Administração dos EUA. No entanto, os mercados de madeira permanecem apertados e os custos permanecem altos. Embora os altos preços da madeira em 2018 cubram o custo dos direitos finais sobre as importações canadenses, eles adicionarão mais de US$ 5.000 ao custo de uma nova casa dos EUA. Em última análise, esses altos custos são transferidos para o consumidor americano que já estará pagando mais por muitos bens de consumo importados.

 

Mudança nos fluxos comerciais de madeira

Como observamos no último trimestre, diversos produtores de madeira fora dos EUA aproveitaram a lacuna deixada pelo declínio das exportações canadenses para os EUA em 2017. Para o primeiro semestre de 2017 (os dados do ano fiscal ainda não estão disponíveis), as importações offshore para os EUA aumentaram 38% e, de acordo com dados do Departamento de Agricultura dos EUA, as remessas russas foram 42% maiores em 2017. A Rússia não é o único país beneficiando da disputa comercial dos EUA / Canadá; várias nações também aumentaram as exportações de madeira de coníferas para os EUA durante os primeiros seis meses do ano:

  • Importações de coníferas da Alemanha: 900%
  • Importações de coníferas da Áustria: 178%
  • Importações de coníferas da Romênia: 141%
  • Importações de coníferas da Suécia: 41%
  • Importação de coníferas do Brasil: 22%

O volume dessas importações de madeira serrada não é nada perto dos volumes tradicionais importados de madeira canadense, mas o número de produtores estrangeiros que entraram no mercado norte-americano aumentou em 2017. Cumulativamente, esses países poderiam ter um impacto na satisfação da demanda a curto prazo ao preencher a lacuna e, a longo prazo, poderia estabelecer cadeias de suprimentos que poderiam tornar os EUA um destino consistentemente viável para suas exportações de madeira serrada.

No entanto, no final de 2017 o dólar terminou em torno de 12% abaixo do euro, já que a economia europeia começou a aumentar (PIB +2,5 a.a no 3T2017). A continuação desta tendência - um dólar em declínio e o fortalecimento da economia europeia - provavelmente prejudicaria as importações futuras de madeira offshore da Europa, apesar de uma alta sustentada de preços. Os produtores europeus preferem atender aos mercados regionais, em vez de incorrer na despesa adicional de mover o produto para os EUA em meio a tendências da taxa de câmbio desfavoráveis. Com a crescente demanda na Europa - especialmente a Europa Oriental e uma recuperação no Oriente Médio e no norte da África - as exportações para os EUA devem cair à medida que avançarmos em 2018.

 

Quão baixo pode ir?

Os investidores parecem confiantes de que o senso de protecionismo da Administração dos EUA tem seus limites. Um artigo recente do Financial Times (FT) observa que "Por exemplo, acabar com o Acordo de Livre Comércio da América do Norte com o Canadá e o México pode ser dispendioso para os empregos dos EUA. E ... o presidente dos EUA não quer ver nenhuma consequência negativa do protecionismo que acaba afetando as ações dos EUA ".

O FT continua: "Além disso, falar em queda do dólar é uma estratégia política simples - não precisa da aprovação do Congresso - e é uma maneira muito mais direta do que renegociar os tratados para resolver desequilíbrios comerciais. O enfraquecimento do dólar atua como uma tarifa efetiva sobre as importações e um incentivo para as exportações. Ele também acompanha Wall Street porque muitas empresas dos EUA são pesos pesados globais e prosperam com um dólar mais fraco, aumentando o valor de suas receitas com base no exterior ".

Steven Englander, da Rafiki Capital, acrescentou: "parte da atratividade de diminuir o dólar é que não há muitas pessoas dizendo que querem uma moeda mais forte. Se ele [presidente Trump] puder descer o dólar, ele pode conseguir isso de graça".

A reunião de Davos pode ser um evento ideal para os membros da Administração dos EUA se comprometerem em alguma postura econômica frente ao mundo. O mesmo posicionamento ousado do presidente Trump foi testemunhado durante sua viagem à Ásia em novembro passado, nenhum dos quais foi surpreendente; ele apresentou uma visão protecionista durante sua campanha e está simplesmente seguindo sua própria agenda. Também não é surpreendente que uma linguagem similar seja agora alavancada para "descontrolar" o dólar.

Saiba mais sobre os produtos e serviços da Forest2Market do Brasil

Back to Blog

You May Also be Interested In

Setembro 30, 2019
A montanha-russa do mercado de exportações de produtos de pinus
A atividade florestal é sabidamente uma atividade de longo prazo. Se faz necessário esperar anos para (literalmente)...
Continue Reading
Março 11, 2019
Avanco das exportacoes do setor florestal brasileiro – toras e cavacos de eucalipto
No segundo dia de 2019 a Forest2Market do Brasil publicou um artigo apresentando as 10 previsões para o Brasil e a...
Continue Reading
Setembro 27, 2018
Tendências das exportações do setor florestal brasileiro – Madeira Serrada de Coníferas
Ao observar a evolução histórica da exportação de alguns dos principais segmentos do setor florestal, percebemos que...
Continue Reading