menu-bgimg

What we can offer you

We provide detailed transactional data, cost benchmarks and in-depth analytics for participants in the wood raw materials supply chain.
  • Pricing Data
  • Benchmarks
  • Product Forecasting
  • Advisory Services
  • Analytics
Learn More

SilvaStat360 Platform

  • Price Benchmarks
  • Madison’s Lumber Reporter
  • The Beck Group’s Sawmill TQ
  • Timber Supply Analysis 
  • Global Economic Data

Explore Forest2Market's Interactive Business Intelligence Platform

Learn More

Industries

From biomass suppliers in the Baltics to pulp producers in Brazil and TIMOs in the United States, Forest2Market provides products and services for suppliers, producers and other stakeholders in the global forest products industry.

Learn More
x
 
Blog

Mercado de madeira serrada dos EUA e as oportunidades para o Brasil

Março 28, 2017
Author: Marcelo Schmid

Segundo Jerry Howard, CEO da National Association of Home Builders (NAHB), a preocupação relacionada ao suprimento (e preço) da madeira serrada nos Estados Unidos, decorrente do desentendimento com seu principal fornecedor, o Canadá, irá persistir por vários anos, abrindo oportunidades para importações de madeira vindas do Chile e do Brasil.

A NAHB é uma associação norte-americana que possui mais de 140 mil membros e tem o objetivo de defender os interesses do setor de construção de casas nos Estados Unidos. A existência de uma associação dessa escala, exclusivamente voltada a representar o setor de construções de casas, se explica pela relação cultural que a sociedade norte-americana possui com a moradia em casas em detrimento de, por exemplo, apartamentos. Essa relação é muito mais expressiva do que se vê em qualquer outro país e, ao contrário do padrão de construção de casas brasileiro, os Estados Unidos utilizam a madeira como principal insumo construtivo.

“Acredito que irá levar quatro a cinco anos para chegarmos à uma resolução para o Softwood Lumber Agreement (SLA) – disse Jerry Howard em uma palestra realizada recentemente para uma associação no Estado da Flórida. O SLA era um acordo de comércio existente entre o Canadá e os Estados Unidos, criado para compensar o subsídio recebido pela indústria madeireira canadense do governo. Como grande parte das propriedades produtivas está na mão dos governos das províncias locais, o valor da madeira em pé é definido administrativamente e não com base no mercado e, segundo os Estados Unidos, isso cria uma concorrência desleal entre a madeira serrada canadense e a norte-americana.iStock_000003209555_Medium.jpg

O acordo entre os dois países terminou em 2015 e teve seus efeitos de certa forma prorrogados por mais um ano. Embora a situação atual seja incerta, se espera um aumento de preços de 30% a ser percebido ainda 2017. Enquanto isso não ocorre, segundo Howard “construtores de casas estão dizendo que têm encontrado problemas em conseguir compromissos futuros de entrega de cargas de madeira”.

O problema com o término do acordo é bastante relevante para o mercado de casas dos Estados Unidos, pois a madeira canadense responde por 28% da madeira utilizada na estrutura de novas casas no país. Somada à incerteza natural do mercado pelo término do acordo está o perfil da nova administração federal americana, que tende a ser extremamente protecionista com o mercado interno, o que significará, nas palavras do CEO, “uma longa luta”.

A solução preferencial para garantir um suprimento confiável a preços constantes seria modificar a regulação da quantidade de madeira que pode ser extraída das florestas americanas. Porém, seria muito difícil para o parlamento americano alterar a legislação de modo a aumentar o nível de exploração para a quantidade de florestas que deveria ser adicionada para reduzir as importações canadenses.

Mas Howard se mostrou cético em relação a um novo acordo ou ao aumento da exploração das florestas nacionais e, em nome da associação, já busca alternativas. Em 2016 ele passou 10 dias visitando políticos e indústrias no Chile. “Eles estão muito interessados em produzir madeira serrada para atender aos padrões dos EUA, se tornando assim uma solução permanente para a madeira serrada canadense”. Isso pode levar talvez quatro a cinco anos, mas considerando que o impasse com o Canadá também não terá solução no curto prazo, “o Chile aparece como uma alternativa viável”, segundo o presidente da NAHB.

Por fim, Jerry Howard destacou que em 2017 pretende conhecer e visitar o Brasil, para entender se a solução para o mercado norte-americano de construção de casas pode estar no maior país da América Latina. O interesse dos Estados Unidos vem em um momento interessante, pois com a crise econômica interna dos últimos anos diferentes empresas passaram a olhar o mercado externo e a aprender como exportar. Em 2016 o Brasil exportou 2,7 milhões de m3 de madeira serrada de pinus (incluindo molduras), sendo que o principal país comprador da madeira serrada brasileira foi justamente os Estados Unidos, com 42,3%, seguido por China e Arábia Saudita, com 12,8% e 6,77%, respectivamente.

Saiba mais sobre os produtos e serviços da Forest2Market do Brasil

Back to Blog

You May Also be Interested In

Janeiro 31, 2020
Número de novas casas em construção atinge ápice em 13 anos
A economia e o setor florestal norte-americanos ganharam um presente de Natal atrasado nesta semana. E esse presente...
Continue Reading
Setembro 30, 2019
A montanha-russa do mercado de exportações de produtos de pinus
A atividade florestal é sabidamente uma atividade de longo prazo. Se faz necessário esperar anos para (literalmente)...
Continue Reading
Setembro 27, 2018
Tendências das exportações do setor florestal brasileiro – Madeira Serrada de Coníferas
Ao observar a evolução histórica da exportação de alguns dos principais segmentos do setor florestal, percebemos que...
Continue Reading